quinta-feira, 28 de maio de 2009

Zoo de Pomerode

Há tempos ando sem escrever por aqui, pois minha vida anda meio correria nos últimos dias e também faltou inspiração.
Fiz então um vídeo, de um passeio ao Zoológico de Pomerode, que fica pertinho daqui.
Espero que gostem.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Os Chefes

Estes caras merecem mais um vídeo por aqui pois os considero ótimos.
Sempre que posso, vou a um show deles, pois além da música que é excelente, sempre acabo encontrando amigos de longas datas. Sempre tem uma surpresa, sempre tem alguém que há tempos não vejo, sem falar que há a certeza de encontrar as pessoas da mesma tribo. Sinto-me em casa com este fundo musical.
Deixo então mais um vídeo deles por aqui e o link de um vídeo passado deles.

http://magicomundomeu.blogspot.com/2009/02/e-nessa-que-eu-vou.html

Ando sem muita inspiração para escrever. Assim, quando não há muito o que falar, o melhor é mesmo ouvir.

video

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Zeca Jr. disse

Hoje vou transcrever o texto de meu amigo Zeca que deixou aqui no meu blog, outro dia, como comentário do meu último post: “E no cuzinho? Não vai nada?

Elaiá...lá vamos nós "traveis"...rsrsrs falar dessa questão de cortar relações é "com nóis memo"...estamos calejados disso, né Scharôa (version - foto no bode colorido)...as coisas passam, o tempo passa, as coisas mudam, os endereços mudam, os telefones mudam, só o que não muda mesmo são as manias das nossas mães (desde os idos da Reinoldo de barro) e a nossa mania de acreditar nas pessoas, melhor dizendo, na boa vontade delas e na veracidade das palavras proferidas pelas suas bocas...
E toma pau na cabeça (pra não dizer em outro lugar...)Será quando é que vamos aprender? Não vivemos mais na época em que pessoas davam suas carteiras recheadas de dinheiro para as filhas dos vizinhos brincar em cima das camas, de acordar pela manhã e sentir o aroma de café que saía da chaminé da fábrica e "poluía" toda a redondeza (seria isso poluição???), muito menos de ir até a "venda" e pegar (pegar mesmo, pois tudo o que se pegava, era anotado na caderneta que era paga ao final do mês)um "cartucho" de bala picada ou quinhentos gramas de torresmo embrulhado em papel cor-de-rosa (o mesmo utilizado para fazer as contas de quanto tudo isso tinha custado e assim poder ser anotado na caderneta).
Hoje em dia vivemos no tempo do imediatismo e muitas coisas boas foram deixadas pra trás, uma delas é o companheirismo, a amizade e porque não dizer, o RESPEITO e admiração por aqueles que julgamos ser nossos amigos... pessoas, essas que na tua frente falam alguma coisa, mas que basta você dar uma pequena inclinada com o corpo (nem precisa mais dar as costas) já estão lascando lenha no teu pelo...
Falando em pelo, ouvi sempre meu pai comentar sobre a palavra, palavra que valia mais que um fio de bigode...hum, será que as pessoas nos dias de hoje não tem mais palavras pois o que nos dita a moda é não usar bigode? É, nessa hora poderíamos mudar o ditado... "amigos amigos, bigodes à parte".


É verdade querido Zeca. Seu texto é saudosista e não podemos mais voltar atrás e ter todas essas coisas que você cita ai, que vivemos na nossa infância. Agora, o que não devia ter mudado, era exatamente isso que você diz: a palavra, o respeito. É exatamente a isso que me referi no texto. Se uma amizade de uma vida toda, que compartilhou tudo isso, não é suficiente para se ter o respeito por uma pessoa, eu não sei mais o que é amizade.
Talvez alguns que leiam aqui não estejam entendo exatamente o que queremos dizer, eu vou dar uma dica, ok? Fiz um trabalho para uma pessoa, que me absorveu tempo, inspiração, criatividade, o meu nome para conseguir favores (nome que tenho por merecimento, que herdei de meu pai, pela sua idoneidade e competência),disponibilidade, horas de laser com meus familiares e sabe lá Deus o que tudo. Promessas de tantas coisas que de uma hora para a outra morreram no nada, sem uma explicação, com um descaso fora do normal. De minha parte, cessei os favores e a outra parte me colocou como o vilão da derrota de um projeto que nunca decolou. Projetos, projetos e projetos... eu já me enchi de projetos que não dão em nada, de gente que vem de mansinho como quem não quer nada, enchendo a tua bola e dão em nada.
Uma coisa é certa, caro Zeca:ESTOU LIVRE! Já aprendi na vida que as coisas que não vão bem, as coisas que não evoluem, devem ser eliminadas e devemos ocupar o nosso tempo nesta vida aqui com coisas produtivas e amigos que realmente nos querem bem. Eu estou muito bem, muito bem mesmo, fazendo limpa na casa, na vida, diminuindo montes (vide texto dos montes).
Grata pelo seu comentário, pelas suas palavras, caro amigo, companheiro da vida toda, desde pequeniiiinho, desde o tempo do bode colorido...kkkkkkk. Isso também daria um belo post no blog. Hahahaha! Te amo!

terça-feira, 5 de maio de 2009

E no c*zinho? Não vai nada?

Desde ontem venho pensando de como algumas pessoas aproveitam-se da boa vontade das outras, usam, abusam e quando a parte usada corta os “benefícios”, sentem-se ofendidas e cortam relações. Feito criança que não ganhou pirulito. Só aí se enxerga a imaturidade dessas pessoas e a verdadeira intenção delas.
Eu já virei expert no assunto, se alguém precisar de exemplos de como ser um otário, me consulte que eu dou belos exemplos e de graça... ahahahahaha.
Sempre gostei de ajudar os amigos e com isso muitas vezes fiz trabalhos sem cobrar absolutamente nada, pelo simples fato de achar que uma mão lava a outra e caridade não é apenas dar um pedaço de pão. Só que eu sou otária, mas, não a vida toda. Eu demoro um pouco, mas, acordo.
Quero deixar claro que, muitos trabalhos fiz para amigos, com prazer, que souberam reconhecer, não é a esses que eu me refiro.Trabalhos que me deram um leque de oportunidades das quais eu soube aproveitar, que me ligaram a pessoas e que me deram um canal que jamais será cortado, pois nele mostrei minha capacidade, algo que ninguém poderá tirar de mim. Gente que soube reconhecer o que faço e deu valor a ponto de formar um elo de interlocução imortal. Relações, contatos, reconhecimento, respeito, admiração, reciprocidade de sentimentos e opiniões, que são elos que nunca se desfazem.
Houve também os que pagaram e souberam aproveitar muito bem, a esses eu sou gratíssima pela confiança que depositaram e feliz ao ver que também aprenderam comigo, pois vejo volta e meia algum resultado disso por ai, por este mundo virtual de nossas vidas.
Quando alguém se aproveita da sua boa vontade e depois corta laços é como se tudo aquilo a que você se propôs e quis ver um resultado, parece não ter dado certo, parece não, não deu mesmo e isso frustra. Sem falar no principal que é o elo de amizade que é quebrado. É a mesma filosofia do dinheiro que se empresta ao amigo: “Para amigos não se empresta dinheiro, se dá!”.
Aí fica a incerteza no ar: quem errou? A outra parte ou eu que ainda não fiquei esperta o suficiente? Hehehehehe. Ainda, aiiiiiiiiiiinda não. Jesus! Quantos anos mais eu levarei na minha vida para aprender que existem “pessoas” e pessoas, “amigos” e amigos? Mas, não dá nada! Isso tudo não me abalou tanto assim, era um resultado já esperado, era apenas uma questão de tempo, e hoje consigo fazer uma reflexão que se resume na frase do título.
Parafraseando Murphy diz-se que, quando se começa um projeto, sabendo que existe uma grande possibilidade de dar errado, ele dará errado. Já Clark foi irônico e disse que Murphy era otimista. Acho que sou mais Clark que Murphy , realmente...

domingo, 3 de maio de 2009

Ahh o amor

Ele está em tudo que vemos, está em nós...
o paraíso, ja o temos e não sabemos.
Segue ai um video que fiz, pensando nisso.



Tenho o meu canal no Youtube. Caso alguém queira adicionar, fique a vontade.
http://www.youtube.com/user/maramaluk
Beijos e uma semana cheia de amor!