sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Diminuindo o monte

Há meses na minha área de serviço havia um monte. Um monte de roupas para passar.
Sabe como é, você vai passando aquilo que usa e o monte vai crescendo. Sempre que ia passando as roupas que usamos frequentemente ia passando mais uma ou duas peças do monte, para ver se diminuía um pouco, mas estava difícil...
Hoje, já cedo, encarei o monte e arquei com a responsabilidade que me cabia.
- Chega Mara! Eu não agüento mais ver este monte!
E lá fui eu sofrer um pouco para desfazer o tal monte. Passar roupas é coisa que não gosto de fazer, faço por que é necessário.
Fiquei então analisando esta situação e pensei: nossa vida também tem montes. Todos aqueles probleminhas que temos e não resolvemos ou resolvemos em partes, meia boca, tapando o sol com a peneira, deixando sempre para trás.
A medida que fui passando, fui lembrando por que aquelas peças ali ainda estavam.
Uma camisa velha de inverno, horrível de passar, mas que eu amo. É preciso um pouco de sacrifício para as coisas que amamos.
Uma camiseta preta cheia de fiapos, quase passei ela assim mesmo... Não! Assim não dá, é preciso tirar os fiapos. É preciso tirar a sujeira, não se pode ter uma consciência tranqüila quando não se limpa as coisas do nosso íntimo.
Uma toalha de renda complicada de passar - é preciso engomar para que ela fique bonita. As coisas belas nem sempre são tão simples e muitas delas precisam de muita disciplina para que se tornem belas, aplicando um pouco de tudo. Perseverança, carinho, atenção e amor. Afinal o belo se torna belo aos outros quando nós amamos.
Uma bermuda velha, furada, suja de tinta. Ela já foi ferramenta de grandes investidas artísticas, acompanhou-me na fase do amarelo, na fase do verde, do azul...para finalmente chegar ao lilás. Ela já deu o que tinha que dar. Chega! Coisas que não tem mais jeito, sujeiras e cabeçadas que fiz, deixei para trás.
Da mesma forma é nossa vida. Para ser feliz é preciso acabar com o monte ou pelo menos diminuí-lo. Pular fase, pular peças, deixar para depois é ter constantemente um monte na sua vista e às vezes, até no caminho, atrapalhando a sua vida.
E o seu monte, como anda? Hehehehe...

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Lembranças musicais

Tenho um amigo, na praia do Grant que é amante de blues e fanático por Eric Clapton. Como eu também sou amante de Clapton, sempre que ia lá ficávamos horas ouvindo todos os trabalhos dele. Sentados num balcão no meio da casa dele, num home teather, ficávamos ouvindo Clapton ininterruptamente.
Um dia a esposa dele confidenciou que não gostava de Clapton e que fazia o maior esforço para nos agradar, ficava junto, mas, já não aguentava mais...kkkkkkkk. Passamos então a ouvir blues e não deu outra, depois de uns dias ela só faltava se ajoelhar para pararmos de ouvir os blues que ouvíamos.
Com isso tudo eu conheci outras coisas e passei a prestar mais antenção em outras também que eu até conhecia mas não sabia do valor.
Foi numa dessa que ouvi várias versões de While My Guitars Gently Weeps de George Harrison (Beatles). De George, de Clapton e tantos outros. Fizemos até uma votação da versão mais bonita dela e eu gostei demais da versão do Toto. Assim acabei tendo ela como minha preferida.
Até pouco tempo atrás, bastava eu pisar na praia do Grant que ele colocava no talo para que eu ouvisse da minha casa a música que tocava na casa dele e como já era de se esperar, a minha versão preferida.
Há tempos eu não ouvia, com certeza a esposa dele também enjoou. Deve ser mesmo um saco ficar tendo que ouvir mil vezes o que os outros gostam.
Achei ontem ela no youtube e já ouvi trocentas vezes hoje... hehehehe
Não acham ela linda? Para mim é uma das melhores execuções da música que eu já ouvi.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Rio ou choro?

Hoje eu acordei com a tiririca. Menstruação está chegando e eu estou com o diabo no couro... kkkkkkkkkk. Se me olhar meio de soslaio eu sou capaz de pular em cima. Depois do que eu ouvi aqui em casa agora...ai meu pai do céu, dá –me paciência.
Na minha dieta de reeducação alimentar, tomo todos os dias ao amanhecer, um suco de abacaxi, maçã e couve. Com isso minha mãe sempre pega folhas de couve na horta da vizinha, que é melhor que a do mercado, que já vem toda queimada e velha.
Hoje cedo a empregada de minha mãe pegou as folhas e a vizinha que é uma setentona de 100 quilos disse que se eu estiver emagrecendo com a couve, ela também vai começar a usar a couve para perder peso. Hahahahahaha
Eu tenho que rir para não chorar, pois não existe nenhum ingrediente ou alimento milagroso na face da terra que faça você perder peso se não fizer uma dieta como eu faço, onde não tem glúten nem lactose. Os doces são limitados e praticamente a dieta toda se baseia nas verduras, legumes e frutas.
A couve me foi recomendada pela quantidade de ferro e cálcio que tem. Uma vez que eu estava anêmica e como não como nenhum alimento com lactose, é a fonte para que eu reponha essas vitaminas, uma outra opção.
Outro dia também meu irmão veio todo assanhado me pedindo uma cópia da minha dieta para dar a uma fulana que eu nem sei quem é, que diz ser muito gorda. Sei que ele quer só fazer o bem, mas, as pessoas quando vão vendo que estou eliminando peso, querem a fórmula milagrosa do feito.
Puts, eu vou à nutricionista, pago as consultas, tentamos encontrar a melhor maneira de eu fazer isso sem que me prive dos prazeres carnais, me ralo, pesquiso tudo sobre alimentação para achar os alimentos sem glúten e sem lactose e o povo quer a fórmula milagrosa?kkkkkkkkkkk. Só rindo para não chorar, mesmo!
Na próxima consulta vou pedir cartõezinhos da Gisele e cada vez que alguém me perguntar ou quiser a “fórmula” passarei o cartão dela: esta é a fórmula!

sábado, 24 de janeiro de 2009

A felicidade pode estar onde não vemos

Eu tive uma noite ótima ontem, mas acordei meio deprimida, lembrando de um amigo. Vou usar o nome Joca para não expô-lo, mas, os amigos íntimos sabem de quem se trata.

Joca era um cara bonitão, já maduro, que trabalhava com publicidade. Espirituoso como nunca eu vi igual. Arrecadou milhões com o passar dos anos na sua profissão. Teve os melhores carros, conviveu nas “melhores” classes e vivia envolvido com o meio artístico musical.
Porém Joca, cheirou tudo o que ganhou. Foram Audis, BMWs, propriedades e o seu próprio destino.
Joca hoje não passa de um caco humano, envelhecido, quebrado, pois caiu da banqueta de um bar e fez uma grave fratura. Trocou o cheiro pelo trago, os amigos e a família pelo boteco e a vida por uma muleta.
Joca hoje tem a idade óssea de uma mulher de 85 anos, sendo que tem 52 anos. Um fígado com cirrose em nível tão elevado que até se duvida que alguém possa viver assim.
- Joca, hoje quando eu acordei, lembrei dos tempos que você era saudável, da atração que eu tinha por você e tudo que me encantava por você. Todo este encanto foi trocado por um sentimento de asco, me perdoe, mas, não sinto pena de você. E o dia que você passar dessa para a outra e vou me aliviar, pensando que então terás uma chance de talvez na erraticidade cuidar-se um pouco mais. Quem sabe um dia vir para uma nova vida, recomeçando e fazer pelo seu corpo físico tudo aquilo que você não fez nesta vida.
Não vou chorar Joca, já chorei ao saber de você, você se matou, é um morto-vivo.
Até por que tenho certeza que levarás toda a tua espirituosidade e alegria por todos os umbrais que passares.

Este não é um depoimento triste, pessoal, mas, sim um desabafo, não estou triste. Apenas muito consciente de que nós respondemos por todas as nossas escolhas. Joca fez as dele. Como amigo e o amor incondicional que tenho por ele, só tenho que aceitar suas escolhas.Afinal, quem pode dizer que Joca não foi feliz?

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Soltando a franga?

Acho tão interessante algumas coisas que acontecem com a gente, que é digno de estudo e pesquisa. Bem se diz que quando uma mulher está envolvida com um homem sexualmente, outros tantos sentem-se atraídos por um hormônio que a mulher libera e é percebido pelo homem. Fazendo com que ele fique atraído por ela, pelo tal “feromônio”. Até as empresas de perfume exploram e tentam sintetizar o tal hormônio adicionando-os a perfumes para atrair os parceiros...kkkkkk
Eu não preciso deste perfume ultimamente, ando até ressuscitando mortos, pelo visto. Longe de mim me passar ou me achar, é apenas uma constatação a que chego, de que você precisa estar envolvida para que outros sejam atraídos.
A coisa complica um pouco quando somos, digamos, um tanto leal e não queremos abrir mão do parceiro atual, no entanto sentimo-nos atraídos por outros. E a grande merda disso tudo é que quando se está sozinho, às vezes, nenhuma das investidas surtem efeito. Aí ficamos com aquele sentimento: ninguém me ama, ninguém me quer.
Quando você está no começo de um relacionamento e não sabe ainda o verdadeiro fim da coisa, se fica só no físico ou se vai render realmente um envolvimento emocional, chega a dar vontade de arrancar os cabelos. Como em tese eu costumo ser fiel ao parceiro atual(mesmo que seja só sexual), fico com mil sentimentos de culpa ao dar atenção a uma xavecada mais direta ou mesmo marcar um encontro, nem que seja só para tomar uma gelada.
Como eu gostaria de ser menos “certinha” nessa hora e dar tiro pra tudo que é lado, deitar minha cabeça no travesseiro sem culpa alguma e dormir feliz e saciada.
Essa situação toda me deixa “puteada”, por que, ou eu estou sem ninguém ou eu tenho que escolher alguém. Eu não gostaria de ter que escolher, eu gostaria de ser realmente escolhida por um. Um que me completasse realmente e fizesse eu ficar surda para as cantadas todas que deram para fazer parte dessa grande melodia que virou a minha vida de uns dias pra cá.
No fim de tudo isso só me resta dar muita risada, por me sentir feito uma franga solta num galinheiro cheio de galos...kkkkkkkkkkk

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O Sal É Um Dom



Nos meus dias de tranqüilidade no paraíso, li alguns livros e o que me deu prazer foi: “O Sal É Um Dom” - Receitas de mãe Canô por Mabel Velloso.

Este livro é um prazer total, de todas as formas. Recheado de receitas maravilhosas, mas, o que me impressionou foi o amor e a harmonia relatados nele.
As receitas não seriam tão interessantes se não fossem acompanhadas das histórias à cerca delas com pitadas de nostalgia e a cultura desta maravilhosa família.
Diz Dona Cano: “ O sal é um dom” (nunca de mais, nunca de menos); é o dom da boa “mão”, nas inefáveis medidas propostas, pela experiência, pois que o homem sempre comeu com o sal, até nas metáforas mais sagradas das religiões antigas. E mesmo quando, nos candonblés jeje-nagôs da Bahia, da velha cidade da Bahia, ou às margens do Subaé, os santos comem o que os homens comem, e comer “sem sal” é privilégio de uma falange soberana, chefiada por Oxalá, que evita o sal por força de reconhecer seu poder. Os santos de “roupa branca” não comem sal, mas conhecem bem seu valor.“O sal é um dom”. Diz com sabedoria Dona Canô. O “tempero divino” como chamam os antigos gregos, tem que ser um “dom”. Na medida certa. O sal é um dom.

Realmente, sábias palavras de Dona Canô. Quem gosta de cozinhar sabe bem da importância do sal. Ele pode deixar um prato, delicioso, como também arruiná-lo. Vale também como analogia para a vida.
Eu recomendo!! Com 10 estrelinhas.

Chegou 2009 II

video

Conforme prometido, fica um vídeo da virada do ano.
Este fim de ano estivemos todos muito sensibilizados e estes fogos para mim representam uma nova era, um melhor começo e que todas as mazelas de 2008 fiquem para trás.
Já um pouco tarde para esta postagem, mas, penso que é sempre tempo, o ano todo para brindar.

domingo, 18 de janeiro de 2009

2009 Chegou!



E finalmente 2009 chegou, depois de dias que pareciam não passar.
Enfeitei a casa toda para receber bons espíritos e dar a família um clima de muita alegria. Transcorreu tudo na maior harmonia, tudo certinho como planejei. Flores e balões brancos, velas nos castiçais com sal grosso e muita uva itália para trazer fartura. Tudo crendices, mas, que fizeram muito bem aos olhos e ao espírito.
Com atraso mesmo, desejo um 2009 cheio de amor e saúde a meus amigos e todos que por aqui passam.
Em seguida postarei vídeo que estou editando.
E vamos em frente que atrás vem gente!

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Mas que foto, hein?

Fotógrafo só se ferra. Além de ficar a festa toda tendo que fazer a foto de todos, caprichando,mostrando, repetindo e deixando de aparecer nas fotos, quando aparece fazem essa coisa linda!. Só serve para fazer chacota mesmo, não é?
Eu no colo do Noel, kkkkkkkkkkkkkk...

E o Kiko?

Nos dias que antecederam o revellion eu parei para pensar na minha vida e vi o quanto eu sou privilegiada. Pela família que tenho, pelos amigos que fiz, pela paz e harmonia que eu conquistei na minha vida, pelas "coisas" que a vida me destinou e aquilo que vivenciei para chegar onde estou.
Tudo me trouxe um saldo positivo, até aquelas coisas não muito boas... eu aprendi tanto!
Hoje eu não posso me privar de curtir aquilo que tenho, de expor minha cara já com rugas, as sardas que acumulei ao longo da minha vida e sorrir.
Paro na sacada da casa da praia e cada vez me sinto feliz por ter a capacidade de enxergar a beleza do que tenho a minha frente, de sentir o ar fresco na cara e deixar que o sol queime a minha pele e tambem de mostrar isso aos meus amigos.
Penso nas pessoas que vivem se lamuriando quando na verdade tudo é resultado daquilo que escolhemos para nós.
Falo as verdades na cara dos outros e sei que as vezes dói, mas, também digo aos que quero o quanto os amo. Sou intensa em tudo e não só na hora de gozar. Grito quando não deveria, talvez e às vêzes chore escondida, não sei falar sem as mãos e subo em cima de uma mesa se for preciso para me fazer ouvir, mas, no fundo, no fundo mesmo, eu gosto muito de parar na frente do mar e pensar...